Tratamento da Polirradiculoneurite Aguda com Acupuntura e Reabilitação (relato de caso)

A polirradiculoneurite aguda canina é uma doença inflamatória idiopática que acomete principalmente axônios e mielina de raízes nervosas do sistema nervoso de cães e gatos.

 

Mariara Dias1, Cristiane L. F de Toledo 1, Iolanda Bettencourt 1,
Renata Serafim1, Roberta Porto1
ACADEMIA E CENTRO DE REABILITAÇÃO ANIMAL-CAMPINAS,SP. Endereço eletrônico: reabivet@gmail.com.br

 

Etiologia

Embora a etiologia seja de origem desconhecida, muitos consideram que seja causada por uma hipersensibilidade, observada com frequência após a ocorrência de infecções por vírus. Acredita-se assim que um fator como o vírus pode iniciar uma reação imunológica desencadeante da doença, assim como, em alguns casos, o histórico de vacinação, doença respiratória ou exposição à saliva do guaxinim (paralisia de Coonhound).

 

Diagnóstico

A doença afeta animais em qualquer idade, raça ou sexo. Inicialmente ocorre uma fraqueza dos membros posteriores, que evolui rapidamente dentro de 24 a 48 horas, até a tetraparalisia flácida com reflexos característicos de uma síndrome de neurônio motor inferior. O exame diagnóstico complementar é a eletromiografia (ENMG), que mostra potenciais de fibrilação e ondas agudas positivas sugestivas de denervação difusa.

 

Tratamento 

O tratamento se baseia basicamente em suporte físico ao animal até a recuperação que pode ser de dias a meses.

 

Relato de Caso

Foi atendido um canino, fêmea, da raça Rottweiler, 4 anos de idade, com a queixa de tetraparesia aguda, com evolução de uma semana após o início dos sinais. Ao exame neurológico, o animal se apresentava tetraparético, com reflexos característicos de uma síndrome do neurônio motor inferior.

 

Diagnóstico pela MTC

O diagnóstico pela MTC foi Síndrome Wei causada pela Deficiência de Qi do Baço – Pâncreas e Estômago.

 

Discussão

Foram realizadas quatro sessões de acupuntura no total, sendo que as duas primeiras sessões foram realizadas com agulha seca e moxabustão e após estas, o animal retornou a deambulação. As outras duas sessões foi realizada eletroacupuntura no modo denso-disperso, frequência baixa (2 e 8 Hz), 20 minutos. O intervalo entre as sessões foi de 7 dias. Foram feitas sessões de fisioterapia com estimulação elétrica neuromuscular simultaneamente a acupuntura.  Após o retorno à deambulação, foi realizada esteira aquática para o fortalecimento muscular.  O tratamento total foi de 2 meses e o animal retornou à deambulação normal.

 

Conclusão

Sugere-se utilizar as terapias para reabilitação em casos de polirradiculoneurite, a fim de auxiliar na melhora do animal, assim como diminuir o tempo de recuperação e prevenir recidivas.

 

Bibliografia

1- DEWEY, C. W. Neurologia de cães e gatos: Guia Prático. São Paulo: Editora Roca, 2006, 352p.

2- GARIBALDI, L.; PELLEGRINO, F.; SURANITI, A. Síndromes Neurológicas em cães e gatos: avaliação clínica, diagnóstico, tratamento. São Caetano do Sul, SP: Interbook, 2003, 376p.

3- MORAES, D. Síndrome Wei em pequenos animais. (trabalho de conclusão de curso). São Paulo, 2009.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *